Redes Sociais

Nosso Whatsapp

 (83) 9 9314-1313

Encontre o que deseja

NO AR

Santa missa

    Brasil

Para barrar o golpe:Mais mobilização e combater conspiradores e mídia

Publicada em 19/04/16 as 09:16h por Jobson Soares - 374 visualizações

Compartilhe
   
Link da Notícia:
 (Foto: Reprodução Google )

O movimento social brasileiro se mantém firme após a aprovação na Câmara dos Deputados da adminissibilidade do impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff neste domingo(17). A tarefa nesta segunda-feira (18) está desenhada e unifica lideranças políticas e sociais de São Paulo em torno da ampliação das mobilizações, retomar o Fora Cunha e Fora Michel Temer e ainda realizar pressão sobre a mídia monopolista.

Onofre Gonçalves, presidente da Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB-SP) comentou que o resultado e a forma como ocorreu a votação deste domingo no plenário da Câmara dos Deputados apenas confirmou que a atual legislatura pode ser considerada uma das piores da história e sem compromisso com a democracia brasileira.

Construir maioria

"Acho que não tem nada perdido mesmo depois de tudo o que aconteceu hoje. O importante é que essa reaproximação da presidenta Dilma da sua base social precisa ser ampliada. Do nosso lado vamos continuar orientando o nosso povo para continuar nas ruas. Este congresso não foi eleito para defender o povo mas sim os próprios interesses", afirmou Onofre. 

Na opinião de João Paulo, coordenador Estadual do Movimentos dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), é preciso ampliar a participação nas manifestações de rua daqueles que votaram na presidenta. "É preciso aumentar a capacidade de mobilização e construir uma posição de maioria na sociedade", defendeu.

Para a liderança dos Sem Terra, devem voltar à pauta das mobilizações o Fora Cunha e o Fora Michel Temer. De acordo com João, as duas figuras são os principais responsáveis pela crise brasileira, sobretudo Eduardo Cunha. "Queremos cadeia para Cunha e relembrar as acusações que pesam sobre o Temer na Lava Jato, por exemplo", ressaltou.

Mobilização social versus monopólio da mídia

De acordo com o blogueiro e editor do site Opera Mundi, Breno Altman, a mobilização social é a única forma de se contrapor, em curto prazo, ao monopólio da mídia. "É preciso intensificar a disputa das ruas, a disputa no boca a boca da militância, manter mobilizadas as forças democráticas do pais". 
 
Segundo ele, "estamos pagando" hoje pelo "gravíssimo erro" de não ter enfrentado nos 13 anos de governos de Lula e Dilma a concentração dos monopólios de comunicação.

"O campo comunicacional que não está no monopólio das famílias é muito pequeno. Tem certo impacto na internet, é lido pelos formadores de opinião mas não tem caráter de massa ao contrário dos meios que a oligarquia controla", comparou.

Para Breno, a médio e longo prazo, em caso de se esmagar o golpe, é preciso enfrentar o que ele chamou de "câncer da democracia brasileira" que é o monopólio da comunicação.

Papel da mídia progressista

Ainda que não sejam instrumentos de massa, Breno avalia como fundamental o papel dos blogs e da imprensa alternativa nessa etapa da disputa. 
 
"Todos os blogs progressistas estão empenhados na luta contra o golpe. É preciso comunicar aos leitores porquê é uma fraude, porquê os pretextos do impeachment são falsos, o que está por trás da operação, quem são os aliados, qual a coalizão de forças, quais os interesses econômicos e sociais do impeachment. Este é o papel dos meios alternativos neste momento", explicou o jornalista.

Fonte: Portal Vermelho




Nosso Whatsapp

 (83) 9 9314-1313

Visitas: 138664 |  Usuários Online: 35

A Rádio da Gente! Seja bem vindo ao nosso site! - Todos os direitos reservados